Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

PTRX prepara regresso

logo ptrx preto

Lousada vai receber a segunda prova do Campeonato de Portugal de Ralicross, Kartcross e Super Buggy, no próximo fim-de-semana de 11 e 12 de Julho.

O Clube Automóvel de Lousada prepara a próxima prova e adapta a Pista da Costilha para receber a segunda jornada da época de 2020, de acordo com as regras instituídas pela FPAK, em articulação com a Direcção Geral de Saúde.

Assim, quem se deslocar ao Eurocircuito de Lousada vai sentir as diferenças logo à entrada, onde vai ser feita a medição da temperatura sempre que entra no recinto.

O clube apela a todos para respeitar os locais destinados para entradas e saídas afim de evitar cruzamento de pessoal.

Do ponto de vista dos participantes e organização, há ainda outras medidas.

Todos o assistentes na pré-grelha têm que usar máscara. Colocação de um frasco de gel em todos os postos. Vai ser feita a descontaminação de todos os equipamentos electrónicos, antes e no final da corrida. As equipas ligadas à organização vão ter diferentes horários de almoço.

Uma das diferenças vai passar pela realização do briefing, que vai ser realizado em vídeo e por escrito.

Relativamente às formas de assistir à prova, neste momento há uma que está garantida, que é em casa. As corridas do fim-de-semana vão transmitidas em “live stream”. Mas o tema do público só vai ficar realmente fechado nos próximos dias.

As inscrições estão a decorrer a muito bom ritmo, estando ainda abertas até ao fim do dia três de Junho. Segundo o CAL, é de prever uma das melhores listas dos últimos tempos.

PTRX Lousada 2 9 José Artur (Peugeot 106) - Arquivo, Lousada 2019

PTRX Lousada 2 22 Super 1600 - Arquivo, Lousada 2019

 

Adversidade X oportunidade

Tenho o hábito de ver o copo meio cheio e se é certo que há factores que são inultrapassáveis, é certo também que de tempos difíceis como os que atravessamos, saem normalmente grandes soluções.

O desporto parou e nesse panorama o Ralicross não é excepção. A FPAK ditou a suspensão das provas – e de outra forma não poderia ter procedido – e os clubes, pilotos e acho mesmo que posso dizer todos nós aceitamos o facto: há um objectivo maior que passa por derrotar o COVID 19.

Numa altura em que se começa a falar de regresso à normalidade – a possível, acrescento – será também a altura de começar a pensar no como regressar, sempre sabendo que enquanto as regras não forem definidas, não há jogo.

O que me parece também, é que as prioridades têm que ser dadas às provas internacionais e aos Campeonatos Nacionais. Havendo esta prioridade, há que ver quais são os têm condições de arrancar e o Ralicross está entre estes, sem dúvida.

Neste momento os panoramas prováveis são um regresso a alguma normalidade lá para Julho, ou mesmo Agosto/Setembro, o que a acontecer nos colocaria na necessidade de fazer oito provas em cinco, ou mesmo quatro meses, o que coloca o espaço de tempo curto e com o efeito incontornável de atirar a realização da Taça de Portugal para “as calendas”… e só estou a falar de Ralicross, se juntarmos todas as outras provas, uma coisa é certa: não vai dar!

Outra coisa é igualmente certa: o Campeonato de Portugal de Ralicross arrancou e vai ter que se definir, para que possa terminar tão bem quanto possível. Parece-me também que algumas das provas previstas terão que ser anuladas, para que seja possível “encaixar” pelo menos uma de cada clube no que vai restar da época.

Por outro lado, temos o efeito da crise económica e certamente que por parte dos pilotos, não vai haver o “desafogo” que permitiria fazer toda a época e por isso, também para que os projectos que se iniciaram em Março passado tenham a conclusão possível e neste aspecto realço o “possível”, é fundamental que o arranque aconteça. Como? Essa é a grande questão para a qual não tenho ainda resposta, mas tenho alguns pontos que me permitem ver o copo meio cheio para esse arranque.

As questões da adversidade:

Se o campeonato arrancar mais cedo, poderá haver público nas bancadas? Quanto?

E se as provas se realizarem à porta fechada, que clubes vão aceitar prescindir da bilheteira? Recordo que a maioria das provas do PTRX junta mais público que a maioria dos jogos de futebol (com excepção dos cinco maiores clubes) e que a bilheteira é um fonte de receita incontornável para a maioria dos organizadores.

Quantos pilotos vão ter capacidade económica de realizar as provas que faltam e já agora, não menos importante, quantos preparadores se vão “aguentar” neste período?

Os preparadores ficam muitas vezes fora das tomadas de decisão e são pedras basilares da modalidade. Nesta altura, muitos já estão necessitados de retomar a actividade como de pão para boca.

Agora as questões das oportunidades:

Antes de mais há muita gente a sentir falta da emoção, do fim-de-semana passado nas corridas, do rever os amigos, de fazer coisas. Esta parece-me a maior de todas e por isto entendo que o sucesso das próximas provas é garantido. Se o campeonato for encurtado, essa garantia será maior, pois a questão financeira fica mais fácil para os pilotos.

Logicamente que a questão da protecção terá que ser acautelada, com distanciamento, forte redução do número de pessoas no paddock e implementação do uso de máscaras, luvas, viseiras, etc. Realço que a redução de pessoas no paddock é importante.

O Ralicross, tal como a velocidade, não é disputado em estrada aberta o que permite, por exemplo, controlar a entrada de público e manter a segurança das provas com meios humanos e materiais muito inferiores em números. Recordo que as pistas são curtas e o espaço de competição reduzido o que permite manter um nível de segurança elevado e eficiente, com um número de meios reduzidos. Ou seja, o Ralicross não “consome” ambulâncias e forças policiais.

Por outro lado, em tantas outras modalidades, há tantos outros pilotos parados e com vontade de correr. Acredito que as super-especiais e alguns ralis regionais poderão ter dificuldade em regressar, pelas condicionantes mencionadas acima. Esses pilotos vão ter no ralicross, uma opção válida para correrem. Já pensaram nisto?

Alguns dos R5, ou dos Mitsubishi Lancer que poderão ficar parados, vão ter no Ralicross uma oportunidade de competirem. Pilotos de SSV´s que poderão encontrar no PTRX uma opção. Pilotos de carros de duas rodas motrizes, que vão poder participar pois têm várias opções onde os carros se integram, graças ao regulamento técnico do Ralicross.

Desta adversidade, podem resultar óptimas oportunidades para o Ralicross. Temos tudo para que assim seja, temos boas perspectivas para todas as categorias e mesmo a Supercar, pode desta forma regressar à “gloria” que se deseja, e toda a modalidade poderá receber uma transfusão de sangue novo. Não duvido de que quem participe vá ficar “viciado”.

Venham de lá as corridas, mas até lá #FiqueEmCasa

PGV Pedro Gil de Vasconcelos - Promotor do PTRX - Campeonato de Portugal de Ralicross, Kartcross e Super Buggy

46º Ralicross de Sever do Vouga - segundo dia

logo ptrx preto

A chuva marcou as finais da jornada de abertura do PTRX 2020, que aconteceu na Pista do Alto do Roçário, este domingo dia oito de Março, pela mão do Vouga Sport Clube.

PTRX S. Vouga I 33 PTRX S. Vouga I 39 PTRX S. Vouga I 29

Final molhada é final abençoada e as decisões das corridas que definiram as classificações de cada categoria foram um verdadeiro espelho disso mesmo. Começando pela Iniciação - Troféu Ernesto Gonçalves, Rafael Rego teve que "suar" para vencer; José Artur Teixeira, apesar de se sentir combalido pelo acidente de Sábado, ganhou na Nacional A1.6; Frederico Santos foi o melhor SuperCar; Joaquim Machado foi o vencedor da corrida da tarde, a final da Super 1600; Nuno Bastos, ganhou em casa, nos Kartcross, depois de uma corrida definida sobre a meta; por fim na Nacional 2RM, João Oliveira levou a melhor sobre Andreia Sousa, que com o segundo lugar foi a concorrente feminina melhor classificada, num dia especial.

No dia 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, numa iniciativa conjunta do Vouga Sport Clube e do OffRoad Portugal foi prestada uma homenagem às mulheres que acompanham a caravana do Campeonato de Portugal de Ralicross, Kartcross e Super Buggy, sejam elas pilotos, mulheres ou mães de pilotos, organização, corpo de bombeiros ou forças públicas. 

dia mulher PTRX S. Vouga I 40 Andreia Sousa

Fotos: Paulo Braga

FINAIS

Iniciação

Rafael Rêgo aos comandos de um Peugeot 106 XSi pode não ter começado esta primeira ronda do campeonato da melhor forma, mas com o 106 mais colaborante a cada qualificação, acabou por se impôr na Final, numa corrida já com piso bastante molhado e com os pilotos a perderem muito tempo atrás da melhor trajetória. O segundo lugar do pódio foi garantido por André Monteiro (Toyota Corolla), numa conquista difícil, porque já com a bandeira xadrez à vista, Gonçalo Novo (Toyota Starlet) ainda lançou um último ataque, mas acabou por não conseguir passar o Corolla do piloto portuense, foi terceiro a dois décimos de segundo.

PTRX S. Vouga I 34 Iniciação - Troféu Ernesto Gonçalves

Nacional 2 RM

A categoria reservada às duas rodas motrizes foi conquistada por João Oliveira (Peugeot 206 GTi), apesar da oposição inicial de Hugo Santos (Honda Civic Type-R), que viria a ser alvo de uma penalização após um toque com o Seat Ibiza TDI de Fernando Silva, que ditou mesmo o abandono do Ibiza. O segundo posto foi conquistado por Andreia Sousa (Peugeot 306), que soube sempre aguentar a pressão e geriu uma corrida com um piso bastante traiçoeiro. O último lugar do pódio ficou reservado para Ricardo Mendonça (Peugeot 306 GTi), que premeia o trabalho desenvolvido durante todo o fim de semana.

PTRX S. Vouga I 38 João Oliveira (Peugeot 206 GTi)

Nacional A 1.6

Como tínhamos adiantado, a vitória entre os A 1.6 tinha vários candidatos, mas neste caso foi reclamanda por José Artur Teixeira aos comandos de um Peugeot 106. Tiago Ferreira, que comandou grande parte da qualificação acabou por ser o segundo a ver a bandeira xadrez. Pedro Tiago (Citroën Saxo Cup) com o piso a não permitir muitos deslizes, foi gerindo o ritmo da concorrência e garantiu o último lugar do pódio.

PTRX S. Vouga I 35 José Artur Teixeira (Peugeot 106) seguido por Américo Sousa (Citroen Saxo)

Super 1600

Joaquim Machado (Peugeot 208 S1600), arrancou bem e conseguiu manter-se afastado das “lutas” que aconteceram, desde a primeira curva, atrás de si o que lhe deu alguma vantagem e o levou à vitória final. Já o segundo e terceiro lugares do pódio tiveram vários candidatos durante as oito voltas desta final, que acabou por ficar entrtegue ao estreante, nesta classe, João Novo (Citroën C2), depois de conseguir passar pelo Renault Twingo de Sérgio Dias, quando este se atravessa demasiado e faz um pião na entrada para a parte de terra do traçado. António Sousa (Peugeot 208) nunca baixou os braços e depois de conseguir superar Sérgio Dias e Rogério Sousa conquistou o terceiro lugar nesta primeira prova do Campeonato de Portugal de Ralicross.

PTRX S. Vouga I 41 Joaquim Machado (Peugeot 208 S1600)

Kartcross

Numa das categorias mais competitivas do campeonato, a vitória final acabou por ser reclamada por Nuno Bastos (ASK XC'R), que juntamente com Jorge Gonzaga (LBS RX01) e o espanhol Maikel Vilas também em LBS RX01, que por esta ordem completaram o pódio e protagonizaram uma corrida em que o comando trocou de dono a cada volta. João Medina (Semog Bravo) assegurou o quarto posto e Daniela Godinho, também em Semog Bravo representou a classe feminina da melhor forma e fechou o grupo dos cinco melhores. João Pinheiro (LBS RX01) foi o melhor entre o Camponato de Portugal de Iniciados de Kartcross.

PTRX S. Vouga I 45 Nuno Bastos (ASK XC'R) PTRX S. Vouga I 44 Daniela Godinho (Semog Bravo)

Super Cars

Frederico Santos (Mitsubishi Lancer Evo VI), conseguiu desde a primeira hora comandar as operações nesta classe. Daniel Pacheco (Subaru Impreza) foi segundo.

PTRX S. Vouga I 43 Frederico Santos (Mitsubishi Lancer Evo VI)

Após corridas de qualificação

PTRX S. Vouga I 14 Iniciação PTRX S. Vouga I 23 S1600 PTRX S. Vouga I 26 Kartcross

Fotos de: Paulo Braga

Iniciação

Na categoria reservada aos mais novos, a troca de posições foi uma constante durante toda a qualificação. No somatório das quatro corridas Gonçalo Novo acabou por levar a melhor e parte para a Final no primeiro lugar da grelha.

Nacional 2 RM

Ricardo Mendonça impôs o Peugeot 306 GTi nas duas últimas corridas de qualificação, o que lhe garantiu o terceiro lugar na soma das quatro corridas de qualificação. Por seu lado, na contabilidade para a final, seria Hugo Santos (Honda Civic Type R) a levar a melhor. João Oliveira com uma prestação pautada pela regularidade garantiu a segunda posição da grelha para a última corrida deste fim-de-semana. Andreia Sousa (Peugeot 306), com um ritmo sempre crescente e em jeito de homenagem a todas as mulheres presentes, foi segunda na quarta corrida e garantiu acesso à final na quarta linha da grelha.

Nacional A 1.6

Tiago Ferreira aos comandos de um Peugeot 106, dominou quase toda a sessão de qualificação, só falhando o primeiro lugar na quarta corrida de apuramento, mesmo assim, partiu para o último embate do dia numa posição confortável. Contudo, José Artur Teixeira (Peugeot 106), mesmo não estando nas melhores condições físicas fruto do acidente da véspera, não deu muita margem de manobra a Ferreira. Igual desempenho do campeão em título, Pedro Tiago (Citroën Saxo Cup), que garantiu o terceiro posto na soma das qualificações, mas muito perto do comando, pelo que o candidato à vitória final ainda é uma incógnita.

Super 1600

A derradeira corrida de qualificação para a final mais aguardada do fim-de-semana foi marcada, logo na primeira volta por um aparatoso capotanço do Citroën Saxio Kit Car de Bruno Gonçalves, mas sem qualquer consequência física para o piloto e que mesmo assim, caso consiga alinhar, partirá da terceira linha da grelha para a final. O primeiro lugar na soma das quatro corridas foi garantido pelo Peugeot 208 S1600 de Joaquim Machado. Rogério Sousa (Ford Fiesta S1600) conseguiu o segundo lugar no acesso à final.

Kartcross

Jorge Gonzaga aos comandos de um LBS RX01, “puxou dos galões” de campeão e dominou toda a sessão de qualificação, partindo nesta posição para a final da primeira jornada 2020 do Campeonato de Kartcross. No segundo posto destacou-se outro antigo campeão, Pedro Rosário (Semog Bravo). Luís Almeida também em LBS RX01, conseguiu o terceiro lugar no acesso à final. Daniela Godinho (Semog Bravo) defendeu as correr femininas neste Dia Internacional da Mulher e garantiu um lugar à entrada do top ten, numa caravana composta por 20 participantes.

Tempos e classificações disponíveis em: https://www.kronoracing.com/resultados/2020?id=80

46º Ralicross de Sever do Vouga - primeiro dia

logo ptrx preto

A pista do Alto do Roçário marca o arranque da temporada 2020 do Campeonato de Portugal de Ralicross, Kartcross e Super Buggy. Na jornada promovida pelo Vouga Sport Clube responderam à chamada cinco dezenas de pilotos. 

PTRX S. Vouga I 1 PTRX S. Vouga I 2 PTRX S. Vouga I 5

Iniciação

Gonçalo Novo (Toyota Starlet) e André Monteiro (Toyota Corolla) repartiram entre si as vitórias nas duas corridas inaugurais, destinadas a concorrentes entre os 13 e 17 anos. Deram espetáculo e deixaram tudo em aberto para o segundo dia de prova. Rafael Rêgo, não teve a sorte so seu lado na estreia do Peugeot 106, Concluiu a primeira corrida com claras dificuldades mecânicas e acabou por não alinhar na segunda corrida.

PTRX S. Vouga I 11 Gonçalo Novo (Toyota Starlet) e André Monteiro (Toyota Corolla) repartiram as vitórias

Nacional 2 RM

Com um primeiro e um terceiro lugar, nas duas corridas inaugurais, Hugo Santos aos comandos de um Honda Civic Type-R, fechou o dia no comando das operações. João Oliveira (Peugeot 206 GTI), conquistou “a prata” nas duas primeiras corridas e foi nessa posição que concluiu a jornada inaugural entre as duas rodas motrizes. Luís Carvalho em Peugeot 206 terminou o primeiro dia no terceiro posto. O campeão em título, João Novo, que este ano vai acumular funções na S1600, venceu a primeira corrida, mas fez falsa partida na segunda e como não cumpriu a penalização que obrigava a uma segunda passagem pela Joker Lap, viu-lhe ser atribuída uma penalização de 30 segundos terminando o dia na quarta posição. Andreia Sousa (Peugeot 306) a única senhora em pista, nesta categoria, fechou o top five.

PTRX S. Vouga I 9Hugo Santos (Honda Civic Type-R)

Nacional A 1.6

Tiago Ferreira (Peugeot 106) fez o pleno e partirá para a jornada de domingo no comando das operaçõe. José Artur Teixeira apesar de na primeira corrida ter-se envolvido num toque com Américo Sousa (Citroën Saxo) “na discussão” pelo melhor lugar na trajetória, junto à saída da Joker Lap, o que ditou o bandono de ambos, acabou por regressar na segunda corrida e garantir essa mesma posição na contabilidade do final do dia. Pedro Tiago (Citroën Saxo Cup), fez um pião no final da primeira corrida, perdeu a liderança e acabou por terminar o dia no terceiro posto

PTRX S. Vouga I 6Tiago Ferreira (Peugeot 106)

Super 1600

Joaquim Machado aos comandos de um Peugeot 208, concluiu o primeiro dia na frente da mais competitiva categoria do Ralicross. Por seu lado, Rogério Sousa com dois pódios nas primeiras corridas de qualificação, garantiu o segundo posto de sábado. O terceiro lugar, nas contas finais, foi garantido por António Sousa (Peugeot 208), que apesar de não começado o dia como pretenderia, na segunda corrida já conseguiu garantir um lugar no pódio. Sérgio Dias (Renault Twingo) e Bruno Gonçalves (Citroën Saxo Kit Car), completaram, por esta ordem, o grupo dos cinco melhores deste primeiro dia de corridas.

 

PTRX S. Vouga I 7Joaquim Machado (Peugeot 208)

Super Cars

Tal como aconteceu nos treinos, Frederico Santos em Mitsubishi Lancer Evo VI, venceu as duas corridas e fechou o dia confortavelmente à frente entre os SuperCars.

PTRX S. Vouga I 10Frederico Santos (Mitsubishi Lancer Evo VI)

Kartcross

Jorge Gonzaga em LBS RX01 fechou o primeiro dia no comando das operações. Contudo, Pedro Rosário em Semog Bravo nunca lhe deu muito espaço de manobra, confirmando que a sequência de camponatos conquistados não forma obra do acaso. Luís Almeida (LBS RX01) encerrou o pódio deste sábado de corridas.

 

PTRX S. Vouga I 8Jorge Gonzaga (LBS RX01)

 

 

Treinos Cronometrados

Iniciação

Entre os mais novos, mas não menos ousados, Gonçalo Novo, em Toyota Starlet, conseguiu impor-se a André Monteiro (Toyota Corolla), mas a diferença entre os dois primeiros ficou-se, por escassos, 00:00.04s, o que deixa antever um fim de semana animado... Rafael Rêgo em Peugeot 106 XSi, foi terceiro, a apenas a um segundo dos dois pilotos da frente.

Nacional 2 RM

O melhor tempo dos treinos (00:41.2s) foi assinado por Fernando Silva, ao volante de um Seat Ibiza TDI. Contudo, as três posições seguintes, pertencentes a Hugo Santos (Honda Civic Type-R), Luís Carvalho (Peugeot 206) e João Oliveira (Peugeot 206 GTI), respetivamente, todos conseguiram parar o cronómetro dentro do 00:41s, o deixa antever mais uma jornada muito animada.

SuperCars

Frederico Santos em Mitsubishi Lancer Evo VI garantiu a melhor tempo dos treinos, com um total de 00:41.2s. Daniel Pacheco em Subaru Impreza foi segundo a 00:02s do Lancer de Santos.

Nacional A 1.6

Pedro Tiago aos comandos do Citroën Saxo Cup com que foi campeão em 2019 garantiu o melhor tempo nos treinos cronometrados (00:39.9s). Porém, Rafael Rocha e Américo Sousa, ambos em comandos de modelos Saxo, completaram , por esta ordem, as posições seguintes e a menos de um segundo do melhor crono.

Super 1600

Joaquim Machado (Peugeot 206 S1600), foi o melhor e o único a conseguir rodar na marca dos 00:38s. Mas a provar que estamos na categoria mais competitiva do Campeonato de Portugal de Ralicross, temos os seguintes seis lugares da tabela todos dentro do registo 00:39s. Este pelotão foi liderado por Sérgio Dias (Renault Twingo), seguido de João Novo (Citroën C2), Nuno Araújo (Skoda Fabia MK3), Rogério Sousa (Ford Fieste S1600) e Bruno Gonçalves (Citroën Saxo Kit Car), que por esta ordem completaram os seis primeiros lugares.

Kartcross

Jorge Gonzaga (LBS RX01), com um tempo de 00:35.6s, assinou a melhor volta na primeira qualificação da temporada 2020 dos Kartcross. Mas Pedro Rosário, aos comandos de um Semog Bravo, a um escasso décimo de segundo, deixou o aviso que não vai dar muita margem ao campeão em título. Luís Almeida LBS RX01 conseguiu o terceiro melhor registo.

PTRX arranca em Sever do Vouga

logo ptrx preto

O Campeonato de Portugal de Ralicross, Kartcross e Super Buggy este ano arranca mais cedo, tem mais provas, novas regras, nomeadamente no Kartcross e recebe o novo Troféu Toyo 2020.

A pista do Alto do Roçário, em Sever do Vouga vai ser o palco do arranque da época de Ralicross, com o Vouga Sport Clube a reger os desígnios da primeira prova do ano, já no próximo fim-de-semana de sete e oito de Março.

Cinquenta e cinco pilotos disseram sim à prova do Vouga Sport Clube. O facto do Campeonato começar mais cedo e alguns dos projectos estarem ainda atrasados, poderá explicar a quantidade de inscritos, pois vários pilotos confessaram não ter os carros ainda prontos. Por outro lado, o campeonato recebe mais uma jornada e isso poderá também fazer com que as atenções, ou as estratégias, se foquem noutras provas.

Mas a qualidade é a constante para a prova de Sever do Vouga. A Super 1600 afirma-se como a categoria rainha, reúne onze inscritos e aqui regista-se a estreia do Campeão da Nacional 2RM em título, João Novo, com um Citroen C2 e o regresso de Bruno Gonçalves com o “velhinho”, mas competitivo Citroen Saxo Kit Car.

Na Nacional A1.6 teremos Pedro Tiago a defender o título. Mas a concorrência estará forte e realce-se que José Artur Teixeira reforça a presença nesta prova e em 2019, conseguiu quebrar a serie consecutiva de vitórias de Tiago. A ver vamos como será em Sever, onde se regista também o regresso do ex-Campeão da Iniciação, Rafael Rocha.

A Iniciação - Troféu Ernesto Gonçalves, reúne quatro pilotos. O Vice-Campeão em título Gonçalo Novo, André Monteiro, que regressa depois do acidente que teve no ano passado em Lousada, Rafael Rego é outro dos nomes presentes e Rafaela Barbosa, é o mais novo elemento do “clan Barbosa” a integrar o “clan do Ralicross”.

Mário Barbosa regressa também, mas agora aos comandos de um Kartcross, disciplina que reúne duas dezenas de participantes. Jorge Gonzaga, estreia um RBS Motorclub RX1, com que vai defender o título, no ano em que o Kartcross estreia um regulamento mais “liberal” em termos de preparação de motores.

Os Supercar vão estar presentes, assim como os Super Buggy vão também participar na prova de abertura. Esta categoria será uma das beneficiadas com a realização do novo Troféu Toyo 2020.

Este é um troféu que visa incentivar o uso de um único tipo de pneus nas categorias Super Buggy, Iniciação – Troféu Ernesto Gonçalves e Nacional 2RM. Desta forma pretende-se nivelar andamentos, reduzir custos e ter ainda um incentivo muito positivo com prémio aliciantes no final da época. A Toyo Tires, reforça assim o apoio à modalidade, em conjunto com a FPAK, Promoção do Campeonato e todos os clubes organizadores.

Realce ainda para os apoios da Netpress/Manchete, que faz o clipping e avaliação do PTRX, da Lousavinhos presente em todos os pódiuns e a integração da Brama Motorsport no leque de apoios do PTRX.

A fase competitiva do 46º Ralicross de Sever do Vouga inicia-se no Sábado, dia sete, às 14,00 horas e prolonga-se até Domingo, dia oito, estando a fase final da prova prevista a partir das 14,00 horas. Os bilhetes têm um custo de cinco Euros no Sábado e nove no Domingo.

Lista de inscritos disponível emhttps://portal.fpak.pt/pub/doc/620/116579

cartazsever PTRX S.Vouga II 14

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.