Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies.

Gonçalo Manahu e Manuel Castro viram as suas expectativas comprometidas logo na primeira corrida do fim-de-semana, disputada no Autódromo Internacional do Algarve, integrada no GP de Portugal de Fórmula 1. Um toque violento na traseira do Porsche 911 GT3 comprometeu as duas corridas do dia. 

O Campeonato de Portugal de Velocidade não começou bem para Gonçalo Manahu e Manuel Castro. Logo após a partida, um toque provocava o pião do Porsche 911 GT3 tripulado por Manuel Castro. “Quando estava a colocar o carro para a curva três, senti um toque violento na roda direita traseira… não pude fazer nada para controlar o carro e ao retomar o andamento percebi que algo estava mal na transmissão. A corrida estava acabada logo na primeira volta.” 

Na segunda corrida foi a vez de Gonçalo Manahu assumir os comandos do Porsche, mas nem chegou a partir. Ainda na volta de lançamento a caixa de velocidades deixava de funcionar e pouco depois “verificamos que um apoio da caixa estava partido, devido ao toque da corrida anterior e nem sequer cheguei a partir” recorda Gonçalo Manahu, que deixa uma nota positiva para a corrida de Domingo.

“O dia de hoje (Sábado n.d.r.) fica para trás das costas e agora vamo-nos concentrar na corrida de amanhã, que é a mais longa e isso dá-nos mais tempo para recuperar.” Rematou Manahu com um sorriso.

Manuel Castro aproveitou ainda para “agradecer os apoios de Mérito Invest, Lusty Investments, Bianca Perlá e Brandfire, que viabilizam este projecto”. Rematou o piloto portuense.

NunOrganistA 0002 

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.