Teresa Canto Noronha expõe

“Três Simples Series e um Desfecho Inesperado” no Fórum Cultural de Ermesinde, de 23 de Novembro a  Março de 2013.

"Que parte de nós é o DNA? Que parte é meio ambiente?"

"Nasci num tempo e num lugar onde só havia espaço para a literatura. Tornei-me jornalista."

"Mas a genética estava decidida a ganhar forma e tudo o que eu herdei de um dos meus avós, que era pintor, agora é vencedora."

Teresa Canto Noronha define-se nestas singelas quatro linhas. Nasceu nos Açores, em Ponta Delgada em 1967. Com 20 anos estava em Lisboa, determinada a seguir a carreira de jornalista. Ingressa na RTP em 1989, tendo sido correspondente da televisão pública em Bruxelas e Roma.

Actualmente está de regresso a Lisboa, “onde a luz é magnífica” e paralelamente com a carreira dedicada ao jornalismo, na SIC, desenvolve–se  a  artista plástica que expõe três series  de esculturas/instalações, autênticas pinturas tridimensionais, que vão estar patentes ao público no Fórum Cultural de Ermesinde. 

“Um balanço muito positivo”

Teresa Canto Noronha define desta forma “Três Simples Series e um Desfecho Inesperado”,  a exposição que teve patente de Novembro a Março, no Fórum Cultural de Ermesinde.

Nas palavras da  artista a sua primeira exposição individual foi “uma experiência que me permitiu aferir da apetência do público pelo meu trabalho e as reacções foram óptimas. Recebi imensas mensagens de incentivo, que me vão permitir continuar a trabalhar e a evoluir.”

“A exposição serviu também para dar a conhecer a minha obra a quem trabalha directamente com arte e já deu frutos, uma vez que surgiram convites para mais duas individuais, ainda este ano”.  As próximas mostras do trabalho de Teresa Canto Noronha têm já Porto e Lisboa, como cidades de acolhimento.

Recordamos que a artista é natural de Ponta Delgada, mas actualmente vive em Lisboa, onde trabalha.