Rally Serras de Fafe - Domingo

topo pag rali fafe

Pedro Meireles e Mário Castro abriram a época a vencer. Levaram o Skoda Fábia R5 à vitória no Rally Serras de Fafe, depois de uma prova plena de emotividade, marcada por um "golpe de teatro" na manhã de domingo, segundo dia de prova.

Ricardo Moura e António Costa (Ford Fiesta R5) dominaram a prova desde o primeiro momento, mas esta manhã, quando tinham uma vantagem que aparentemente lhes permitira controlar as três classificativas que faltavam, foram impedidos de ganhar, devido à ruptura de um braço de suspensão.

Na Produção a vitória foi para Ricardo Teodósio e José Teixeira (Mitsubishi Lancer EVO X) e Pedro Antunes e João Leonês (Peugeot 208) venceram as duas rodas motrizes.

O Rally Serras de Fafe foi organizado pelo DEMOPORTO e ficou marcado pela presença de largos milhares de espectadores, quer nas classificativas, quer na super-especial urbana de Fafe, que foi estreada no ano em que esta prova comemora 30 edições na Catedral do Ralis. 

Tempos e classificações disponíveis em:  cnr.cronobandeira.com 

 fafe meireles Pedro Meireles/Mário Castro (Skoda Fabia R5) - Foto de Zoom Motorsport

fafe fontes José Pedro Fontes/Inês Ponte (Citroen DS3 R5) - Foto de Zoom Motrosport

fafe antunes Pedro Antunes/João Leonês (Peugeot 208) - Foto de Zoom Motorsport

 

Luilhas 1

Ricardo Moura e António Costa (Ford Fiesta R5) entram bem no segundo dia. Voltam a vencer e dilatam a distância para a concorrência. O tempo em Luilhas 1 foi de 8m 36,00s, batendo Pedro Meireles e Mário Castro (Skoda Fabia R5), por 6,20s.

Miguel Barbosa e Miguel Ramalho (Skoda Fabia R5) entraram bem no segundo dia e assinaram o terceiro tempo, com a vantagem de um segundo exacto, sobre o Citroen DS3 R5 de José Pedro Fontes e Inês Ponte, que em termos de classificação geral estão no terceiro posto.

João Barros e Jorge Henriques (Ford Fiesta R5) fazem o quinto tempo e colocam-se na quinta posição da geral, com Miguel Barbosa e Miguel Ramalho nove décimas mais à frente.

Paulo Meireles e Marcos Gonçalves (Skoda Fabia R5) continuam num bom ritmo, fazem o sexto tempo à frente de Carlos Vieira e Jorge Carvalho.

Manuel Castro e Luís Costa, certamente ainda a adaptarem-se ao Hyundai i20 R5 rodam com mais 12 segundos do que os mais rápidos, fazem o oitavo tempo à frente dos líderes do Grupo N- Ricardo Teodósio e José Teixeira em Mitsubishi Lancer EVO X.

Os homens do Hyundai, em termos de classificação geral, estão na 20ª posição. Recorde-se que alinharam esta manhã em sistema de rali 2, ou seja: depois da desistência de ontem, partem para o segundo dia, com uma penalização de 14 minutos.

Diogo Salvi e Carlos Magalhães (Skoda Fabia R5) encerram o grupo dos dez da frente.

Pedro Antunes e João Leonês (Peugeot 208) continuam de pedra e cal na frente das duas rodas motrizes. São 12ºs da geral, têm Gil Antunes e Diogo Correia (Renault Clio RS R3T) a 1m 23,00s e parecem estar a controlar o andamento.

Na classificativa, a vitória nos 2RM foi para Daniel Nunes e Rui Raimundo.

Alexander Villanueva e Oscar Sanchez (Citroen DS3) estiveram parados no troço.

Hugo Lopes e Nuno Mota Ribeiro (Ford Fiesta R2) desistiram por avaria mecânica.

Paulo Neto e Vítor Hugo não chegaram ao primeiro controlo, o Citroen DS3 R3T Max parou no caminho.

Lameirinha 1

Miguel Barbosa e Miguel Ramalho perderam cinco minutos, parados no troço devido a um furo seguido de um toque ligeiro e caem para a oitava posição da geral.

Ricardo Moura e António Costa continuam a vencer e dilataram em mais 4,80s a vantagem sobre Pedro Meireles e Mário Castro.

Paulo Meireles e Marcos Gonçalves mantêm o ritmo forte e são os terceiros mais rápidos, à frente de José Pedro Fontes e Inês Ponte.

Marco Reis e Nuno Carvalhosa desistem, com a direcção do Skoda Fábia R2 partida.

Luílhas 2

Ricardo Moura e António Costa ficaram parados na ligação com problemas num braço de suspensão, que motivaram a desistência.

Pedro Meireles e Mário Castro são os mais rápidos. José Pedro Fontes e Inês Ponte somam mais 1,40s. Com Ricardo Moura fora da luta, acende-se o “conflito” pela primeira posição da prova. 18,40s separam agora os dois primeiros.

João Barros e Jorge Henriques fazem o terceiro tempo, a 4,60s dos mais rápidos, seguidos de  Carlos Vieira e Jorge Carvalho, Paulo Meireles e Marcos Gonçalves e de Miguel Barbosa e Miguel Ramalho, que resolvidos os problemas no Skoda, regressam ao andamento.  

Pepe Lopez e Borja Rosada anunciam a desistência. Recorde-se que alinharam esta manhã, em rali 2. O Peugeot 208 RT, não terá ficado completamente recuperado da má aterragem em Montim 1, ontem, que motivou a desistência no primeiro dia.

Ricardo Teodósio e José Teixeira fazem o sexto tempo, melhor Grupo N, e batem Manuel Castro e Luís Costa, por 2,30s.

fafe moura2 Ricardo Moura/António Costa (Ford Fiesta R5) - Foto de Zoom Motrosport  

Lameirinha 2

José Pedro Fontes e Inês Ponte venceram a classificativa, retiraram 6,80s ao tempo da primeira passagem e ganharam 2,60 segundos a Pedro Meireles e Mário Castro, que mantêm a liderança na geral, com 15,80s de vantagem sobre a equipa do Citroen.

João Barros e Jorge Henriques assinaram o terceiro tempo.

Luílhas 3

Pedro Meireles e Mário Castro voltaram a assinar o melhor tempo e asseguraram a vitória.

José Pedro Fontes e Inês Ponte furaram e perderam cerca de 40 segundos, o que não lhes retirou a segunda posição, pois terminaram a prova, com os seus adversários directos a 14,80s.

João Barros e Jorge Henriques fizeram terceiro tempo na classificativa, atrás de Miguel Barbosa e Miguel Ramalho, mas em termos de classificação geral conquistaram o lugar mais baixo do pódio.

Carlos Vieira e Jorge Carvalho tiveram um furo, pararam para mudar a roda e quando tentaram retomar o andamento, o Citroen DS3 R5 pura e simplesmente não pegou. 

A ultima classificativa do rali serviu ainda para confirmar as vitórias de Ricardo Teodósio e José Teixeira na Produção e de Pedro Antunes e João Leonês nas duas rodas motrizes.

 Dizem os vencedores...

PEDRO MEIRELES – Vencedor à Geral

“Foi muito bom começar o ano com o pé direito a vencer” .

“Acho que eu e o Ricardo ontem estávamos com mais ritmo do que os outros adversários, mas infelizmente tivemos um problema que nos afastou bastante da liderança”. 

“Entretanto rapidamente recuperamos o segundo lugar e hoje partimos focados em conquistar o primeiro lugar. Foi o que fizemos!”

“Como se sabe, trinta segundos em Fafe são uma enormidade. O Ricardo teve o problema que teve e nós aproveitamos”.

“Estou satisfeito com o nível de competitividade que demonstramos no rali”.

RICARDO TEODÓSIO – Vencedor Produção

“Fizemos sempre o rali da mesma forma. Só no último troço, em três ou quatro pontos é que aliviamos um pouco. Andamos sempre o mais que pudemos e o carro portou-se cinco estrelas. O carro como é um Grupo N, é muito pesado e claro que podia andar um pouco mais, se fosse em R4 ficava bastante mais leve, com menos cerca de oitenta quilos, mas estamos muito felizes com o nosso resultado”.

“A equipa, os nossos patrocinadores e toda a gente que nos acompanha estão de parabéns”.

PEDRO ANTUNES – Vencedor Duas Rodas Motrizes

“No primeiro dia estávamos com bom ritmo. Conseguimos ganhar alguma vantagem sobre os nossos adversários mais directos”.

“ Hoje foi mais calmo, apesar de termos furado logo no primeiro troço. Tivemos um furo e a partir daí tivemos que seguir mais cautelosos porque já não tínhamos rodas suplentes. Penso que seguimos com qualidade até ao fim!”.

Taça FPAK de Ralis de Terra

Tal como na prova principal, também na Taça assistimos a um "golpe de teatro", que fez com que os previsíveis segundos, ou terceiros, fossem vencedores.

José Merceano e Francisco Pereira (Mitsubishi Lancer EVO VII), eram do trio da frente aqueles que piores argumentos tinham para lutar pela vitória, no entanto ganharam a prova.

Ricardo e Carlos Matos (Mitsubishi Lancer EVO X) tinham terminado o primeiro dia na segunda posição, a 30 segundos de Fernando Peres e José Pedro Silva (Mitsubishi Lancer EVO X), mas ficavam de fora logo no início da manhã e não completavam uma única classificativa.

Fernando Peres e José Pedro Silva estavam “folgados” na frente com 2m 23,10s de vantagem sobre Merceano e Pereira. Mas também eles não tiveram a sorte pelo seu lado e na primeira passagem por Lameirinha ficavam apeados com problemas mecânicos.

José Merceano e Francisco Pereira ficavam na frente da prova, com uma vantagem de 3m 41,60 sobre os segundos classificados, que eram também os líderes das duas motrizes.

Falamos de António Oliveira e Luís Boiça (Peugeot 205 GTi), que desde Sábado travavam uma luta pelas duas rodas motrizes, com Paulo Correia e Pedro Lopes (Peugeot 206). Na chegada a Fafe, os homens do 205 dilatavam a vantagem para 2m 00,80s e asseguravam o segundo lugar do pódio e a vitória nas duas rodas motrizes.

O grupo dos cinco da frente ficou completo com Márcio e Patrícia Pereira (BMW E30 355 Ix) e Bruno Almeida e Leandro Silva (Peugeot 206 GTi).

Regional

Depois das duas passagens pela super especial urbana nocturna de Fafe, o Regional regressou à estrada esta manhã, para fazer as passagens por Luílhas, três passagens, e Lameirinha, duas passagens, como as restantes competições.

Rui Guedes e Vítor Pereira (BMW E30) venceram com uma vantagem confortável de 6m 58,40s sobre João Andrade e Ricardo Cartuxo (BMW 328). No terceiro posto, a 7m 23,40 dos vencedores, terminaram Orlando Lopes e Jorge Marques (Peugeot 206 GTi). 

 

 

 

rodape rali fafe17